Claeff Engenharia e Produtos Químicos

Tri Clor

FINEP

O Processo e seus objetivos

A Claeff Engenharia apresenta a tecnologia de geração de dicloro isocianurico e tricloro isocianurico a partir da amônia reaproveitada durante a produção de ácido cianúrico, em reação com o dióxido de carbono e energia térmica proveniente de processos industriais, para que seja possível o sequestro do carbono.

A etapa inicial do processo de produção dos compostos clorados em questão aponta a necessidade de reatores térmicos, que atuarão com a finalidade de ativar e acelerar o processo reacional entre a amônia e o dióxido de carbono, gerando a ácido cianúrico.

Com uma proposta inovadora e arrojada, pretende-se utilizar o calor e o dióxido de carbono proveniente de processos industriais, visto que seria a forma mais viável tanto para o processo, devido ao fato da complicação referente ao transporte do dióxido de carbono liquefeito, quanto financeiramente por conta da fonte barata de dióxido de carbono e de calor.

O principal objetivo da Claeff ao lançar este projeto foi aperfeiçoar a qualidade da água potável, melhorar o tratamento de esgotos, de efluentes industriais, além de reduzir contaminações microbiológicas em setores agropecuários, destinados a produção de alimentos, a partir da utilização de pastilhas constituídas por dicloro e tricloro isocianúrico.

Outro objetivo importante aos olhos da empresa foi a independência da importação do dicloro, tricloro e equipamentos de dosagens dos mesmos, visto que são produtos internacionais, que se tornam onerosos e inviáveis economicamente.

Neste fato, a geração de compostos clorados possui grande valia, pois o mercado brasileiro comprará mais produtos nacionais, havendo assim maior valorização dos produtos internos, além de ocasionar o aumento da circulação da moeda dentro do território brasileiro.

Nossa Tecnologia

A técnica de geração do dicloro e tricloro isocianurico consiste inicialmente na produção do ácido cianúrico, a partir da reação entre amônia, dióxido de carbono e calor, sendo os dois últimos itens originados através de processos industriais.

Posteriormente, a produção dos derivados de cloro finaliza-se com as devidas dosagens de cloro e hidróxido de sódio, com o interesse de adquirir um tricloro e um dicloro isocianúrico com teores de 85 a 90 %m/m e 62,5%m/m de cloro ativo respectivamente.

Portanto, a referida técnica visa o reaproveitamento de produtos de outras reações, tornando assim o processo mais viável economicamente, havendo a redução de custos do produto no mercado e principalmente a minimização de impactos negativos ao meio ambiente.

Parceiros deste projeto

A Claeff Engenharia conta com a parceria da empresa privada Beraca Sabará Químicos e Ingredientes, constituída por três divisões denominadas: Animal Nutricion & Hearth que oferece um a linha completa de especialidades de rações animais, além de produtos voltados ao segmento fármaco-veterinário; Hearth & Personal Care que produz e distribui a linha Rain Florest Specialties, sendo composta por óleos fixos, óleos essenciais, extratos, resinas, argilas, manteigas, dentre outras especialidades da natureza brasileira.

Ressalta-se que todos os extratos vegetais são extraídos da natureza de forma sustentável, não prejudicando o meio ambiente e por fim a área denominada Water Tecnologies que dispõe de distribuição de cloro gás, hipoclorito de sódio, policloreto de alumínio (PAC), manutenção e testes em cilindros para gases de baixa e alta pressão, equipamentos para saneamento, além da fabricação de pastilhas cloradas.

Outra parceira importante da Claeff é o Instituto de Tecnologia de Pernambuco, dando o suporte técnico a partir de análises químicas e profissionais específicos necessários para o desenvolvimento de projetos inovadores.

Além destes, a Claeff possui parcerias com a Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Universidade Federal do Ceará, Universidade de Fortaleza, onde se adquire processos e metodologias fundamentais para a formação e inovação de projetos.

Mercado

Atualmente, o setor de saneamento básico no Brasil apresenta insuficiência no tocante ao mercado de produtos saneantes, destinados ao tratamento de água e esgoto. Tal fato pode ser comprovado visto que 10% da população brasileira não possui água potável, enquanto que 47% da sociedade nacional não tem tratamento de esgoto, segundo dados de pesquisas desenvolvidas pela NUTD e pela Fundação Getúlio Vargas, respectivamente.  

Por este fato, no Brasil, diariamente surgem sete novos casos de morte, enquanto que anualmente ocorrem 700 mil internações causadas por diarréia e cólera, doenças estas oriundas da deficiência do setor em destaque, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas.

Esta carência tanto de produtos sanitizantes nacionais quanto do domínio da cadeia produtiva dos compostos clorados faz com que ocorra a necessidade de importação destes produtos que possuem um preço elevado.

Durante todo ano de 2008, o Brasil gastou cerca de 13,5 milhões de dólares referente a compra de dicloro e tricloro, entretanto, mesmo após esta importação, não houve melhorias do setor, visto que em casos como este se faz necessário adquirir o domínio de uma técnica produtiva nacional dos compostos clorados em questão.

Os dados de mercado desenvolvidos pela Claeff, destinados apenas a deficiência da obtenção de água tratada, demonstram que se cada cidadão brasileiro gasta 143 litros de água tratada por dia, onde em cada litro utiliza-se 1,5 ppm de cloro em seu tratamento, logo, fazem-se necessárias 1.652,0 Ton/Ano de dicloro e tricloro para este fim.

Já, referente ao problema do tratamento de esgotos, é preciso 25.900 Ton/Ano de compostos clorados objetivando solucionar esta situação.

A Claeff tem por finalidade obter todo o domínio da cadeia produtiva referente ao processo de dicloro e tricloro, utilizando de uma tecnologia brasileira que apresente condições competitivas com o mercado internacional.

Além das áreas de saneamento básico, utiliza-se dicloro e tricloro no mercado de indústrias alimentícias como antibactericida, em setores de tratamento de efluentes durante o processo de pré-cloração e eliminação de cor do resíduo a ser tratado. Infelizmente não se teve a possibilidade de dimensionar os números necessários de saneantes nestes setores, porém levando-se em consideração somente os valores apresentados referente a deficiência do saneamento básico, já justifica a necessidade de obter o domínio da técnica.

Vantagens

A Claeff apresenta como principal vantagem competitiva o desenvolvimento de uma Tecnologia que gera dicloro e tricloro isocianúrico, utilizando de matérias-primas encontradas em abundância no território brasileiro como é o caso do Cloro e da Amônia.

Todo o cloro produzido no Brasil é extraído através da reação de hidrólise do sal marinho, que necessita de uma alta fonte energia elétrica, energia esta barata em território nacional, que corresponde a 80% dos custos de fabricação do referido produto.

Pelo fato de se obter e se vender o cloro a preço relativamente baixo, hoje o parque produtivo de cloro no Brasil apresenta competitividade com o mercado externo.

Atualmente a produção de amônia no Brasil ocorre ou através de sua extração proveniente do ar atmosférico, ou a partir do processo de produção realizado pela Petrobrás, que possui um grande parque produtivo deste produto, visando atender a necessidade de uréia destinada ao setor de agricultura, sendo vendida a um baixo custo quando comparados a outros países.

Para ambos os produtos pode-se afirmar que o Brasil apresenta um mercado competitivo, visto que o país não necessita importá-los, pelo fato de seus fabricantes possuírem o domínio da cadeia produtiva dos compostos em destaque.

Hoje, o Brasil importa dicloro e tricloro a um preço oneroso, pelo fato de não existir empresas nacionais produtoras destes compostos. Ressalta-se que além destas matérias-primas terem um alto preço, elas ainda necessitam ser misturadas a outros compostos, visando uma maior eficiência de adaptação as necessidades específicas de cada região brasileira, fazendo com que este processo torne-se ainda mais oneroso.

Portanto, o objetivo da Claeff consiste em obter a tecnologia nacional visando o desenvolvimento de geração de dicloro e tricloro brasileiro, obtendo por conseqüência a isenção da taxa de pagamento internacional referente ao Royall, taxa esta que interfere consideravelmente o custo final do produto importado, além de adquirir o domínio da cadeia produtiva no tocante ao processo do composto clorado em destaque.

 

Premiação

Prêmio FINEP 2009

O diretor-presidente da Claeff, Eng. Cláudio Truchlaeff, foi o vencedor do Prêmio FINEP de 2009, Região Nordeste, na categoria Inventor Inovador.

Claudio, que concorreu à premiação com o projeto Oxi Bio, teve o reconhecimento do meio científico-acadêmico nacional. saiba mais

Parceiros